Chakras

OS CHAKRAS



...e sua inter-relação com o sistema endócrino.
Concluindo as relações com o sistema energético.

O QUE SÃO CHAKRAS?

Vários textos antigos da literatura indiana falam sobre a existência de centros de energia especiais no interior do nosso corpo etérico subtil, denominados "chakras" (em sânscrito = círculo, roda ou anel). Os chakras estão envolvidos na captação das energias superiores e na sua transmutação numa forma utilizável na estrutura humana. Para facilitar o entendimento, pode-se comparar a função de um chakra a um conversor de energia (transformador), pois capta a energia externa cósmica da natureza (semelhante a radiação solar de alta frequência) e converte numa forma de energia mais facilmente utilizável por nosso organismo. Essa energia também é conhecida por PRANA.
       Acredita-se que o chakra armazena a energia psico-emocional (energia psíquica) que auxilia o corpo a funcionar. Contém registos nos níveis: consciente, subconsciente e inconsciente.
A função destes centros, portanto, é de receber, acumular, transformar e irradiar o prana para as áreas onde eles fazem irrigação. Sendo que esta função é determinada, de acordo com a capacidade de força de cada chakra, e também pela necessidade do indivíduo lidar com seus desafios emocionais. Na índia acredita-se que a força de um chakra é afectada ou aprimorada também de acordo com os objectivos/ registos de vida, o que eles chamam de Prarabdha Karma (aquilo que a pessoa veio viver nesta vida). Naturalmente este registo está adormecido para o homem comum (inconsciente), daí observarmos maiores sofrimentos nos dias actuais.
      Tanto a Medicina Quântica como o Yoga visam acelerar o processo natural de equilíbrio dos Chakras e também facilitam a transformação/ evolução individual.

ANATOMIA DOS CHAKRAS:

FISIOLOGIA: estão envolvidos com o fluxo de energias superiores (energia cósmica) para as estruturas celulares do corpo físico. A energia é traduzida em alterações hormonais, fisiológicas e celulares por todo o corpo. Parece haver pelo menos sete grandes chakras associados ao corpo físico.
ANATOMIA: cada grande chakra está associado a um grande centro nervoso e a uma glândula endócrina. Estão situados numa linha vertical que sobe da base da espinha até a cabeça.
Os chakras estão ligados uns aos outros e a determinadas partes da estrutura físico-celular através de canais energéticos subtis conhecidos como "nádis".
Os nádis são constituídos por delgados filamentos de matéria energética subtil. Representam uma extensa rede de energias fluidas e são diferentes dos meridianos, que têm uma contraparte física.
Foram descritos mais de 72.000 nádis. Esses canais estão intimamente ligados com o sistema nervoso. Assim, uma disfunção patológica no nível dos chakras e nádis pode ser associada a alterações patológicas no sistema nervoso.
Além disso, a ligação hormonal entre os chakras e as glândulas endócrinas sugere novas e complicadas possibilidades quanto as maneiras pelas quais um desequilíbrio no sistema energético subtil (emoções) pode produzir alterações anormais nas células de todo o corpo. Uma diminuição no fluxo de energia subtil através de um dos chakras pode provocar uma diminuição de actividade em qualquer das glândulas endócrinas fundamentais, influenciando padrões de comportamento e personalidade.
         Por exemplo, já é comum um endocrinologista identificar distúrbios psíquicos e de oscilação de humor, decorrentes da descompensação da glândula tiróide.

FUNÇÕES PRINCIPAIS:


1.    Vitalizar cada corpo eléctrico subtil e, consequentemente, o corpo físico.

2.    Provocar o desenvolvimento de diferentes aspectos da auto-consciência. Cada chakra e cada corpo subtil estão relacionados com funções psicológicas.

3.    Transmitir energia. A energia é transmitida de uma camada para a seguinte através de passagens nas extremidades dos chakras, alimentando assim todas as camadas da anatomia humana.

A cada instante, somos alquimistas experimentando no mundo da auto-transformação, mas normalmente, o fazemos inconscientemente.
Quando as tentativas para mudar não são acompanhadas de uma tomada de consciência tendemos a não conseguir “energizar” (converter em realidade prática e funcional) nossos desejos e decisões, nem curar desequilíbrios orgânicos e anímicos.
         O Conhecimento de nossa anatomia energética (estudada com base no sistema hindú dos chakras e sua relação com o funcionamento de nossos órgãos internos) se tornou não somente uma ferramenta fundamental no desenvolvimento da medicina vibracional nos últimos 15 anos, mas também um instrumento incomparável de auto descobrimento psicológico e espiritual.

·  CARACTERÍSTICAS DOS 7  CHAKRAS PRINCIPAIS


1. Muladhara - Centro raiz, suporte, sustentação
  • Glândula: supra Renais
  • Elemento: terra
  • Sentido: olfato
  • Orgão de percepção: nariz
  • Orgão de ação: pés
  • Apana Vayu - eliminação
O Muladhara é o fundamento da emoção e da saúde mental. A estabilidade emocional e psicológica se origina na unidade familiar e no primeiro ambiente social. Várias doenças mentais são geradas devido a disfunções familiares, incluindo personalidades múltiplas, desordens obsessivas e compulsivas, depressão e padrões destrutivos como o alcoolismo.
O Muladhara relaciona-se com a consciência da realidade material, com o poder de realização, responsabilidade com o seu desenvolvimento e com os demais, capacidade de saber o que quer, para onde quer ir e poder de decisão. Os medos e inseguranças provenientes do medo básico, que é o medo da morte ou da aniquilação, são os grandes obstáculos e também a causa do aprisionamento neste nível. Os medos principais estão associados a sobrevivência física e ao medo de ser abandonado pelo grupo.
  • Hipoenergizado: pessoas que tendem a negar as necessidades materiais, não assumindo as responsabilidades referentes a ela e dando ênfase aos aspectos sentimentais ou místicos. Materialmente são dependentes. Também não assumem o seu próprio desenvolvimento, são levados pelas vontades dos outros ou ficam sempre “em cima do muro” não assumindo a responsabilidade por suas decisões.
  • Hiperenergizado: Pessoa tende a ter um forte apego e rigidez na forma como lida com as suas necessidades materiais de sobrevivência, negando seus sentimentos e emoções, desqualificando-os, negando a existência de Deus e níveis de realidade não tangíveis. São pessoas frias e calculistas. Há uma necessidade de controlar tudo e todos a sua volta e uma tendência em projetar todos os erros nas pessoas e no ambiente a sua volta. Essa pessoa tende a consumir tudo que entra em contato, estocando tudo, como forma de precaver-se das intempéries futuras.
2. Svadhisthana - centro sexual, suporte do sopro da vida, Morada própria(kundaliní)
  • Glândula: gonadas ou sexuais
  • Elemento: água - Trata-se de um elemento poderoso que precisa se canalizado para poder ser bem aproveitado. Ele não pode ser contido ou represado pois sua reacção será incontrolável. Com o aumento de volume e de pressão se transforma em força agressiva e destruidora. Da mesma forma é a energia propulsora da vida e o sexo.
  • Sentido: paladar
  • Orgão do sentido: língua
  • Orgão de ação: mãos
  • Vyana Vayu: circulação da energia assimilada.
Está em estreita correlação com o Visuddha Chakra.
Relaciona-se com a coragem, consciência do mundo como lugar de luta e objecto de conquista. Criatividade em todos os sentidos, vitalidade física, domínio sobre paixões. Capacidade de saber o que é essencial para o seu bem- estar, valor pelas actividades prazerosas da vida e a vida em equilíbrio (sono, trabalho, lazer e sexo, alimentação saudável e exercício). Valor pelas suas necessidades mais íntimas. Neste nível a pessoa desenvolve um poder de reacção ante todos os obstáculos porque sabe exactamente o que é bom para si. Neste centro estão todos os registos inconscientes que se manifestam em sonho quando activamos a energização dele.
  • Hipoenergizado: Pessoa se mostra apática, sem energia, lenta, não consegue realizar os seus planos. Fica com certa aversão sexual, vergonha, necessitando interagir com pessoas ou coisas causadoras de dor e insegurança, mantendo-se num ciclo vicioso de seu desequilíbrio. Tem dificuldade de resolver seus problemas e tende a reclamar demais (Hiper Visuddha)
  • Hiperenergizado: Tende a fazer coisas em excesso, fala muito, compulsão por experiências prazerosas e repulsão à experiências desagradáveis. Necessitam pessoas, objectos e situações que o façam sentir seguros emocionalmente ou que estejam associados ao prazer. Vivem basicamente o impulso sexual desejam exercer domínio sobre o ser amado, são possessivos, erotizados e fantasiosos.
Quando existe algum bloqueio nessa região a pessoa desenvolve uma personalidade agressiva, necessidade de acção violenta, de destruir (auto-destruição), erotismo excessivo e fantasioso, desejo sexual indiscriminado e dificilmente a relação homem -mulher será satisfatória pois não haverá afecto.

3. Manipura - Cidade das jóias
  • Glândula: pâncreas
  • Elemento: fogo
  • Sentid: visão
  • Orgão de percepção: olhos
  • Orgãos de ação: ânus
  • Samana Vayu: assimilação

Relaciona-se com o poder social, a identidade no mundo, o poder de persuasão, a capacidade de saber quem é, o que deseja e saber se expressar adequadamente. Emprego do poder pessoal como forma se intensificar as suas experiências. Dignidade, compreensão do seu papel no mundo e a importância de sua colaboração, interagindo e reconhecendo o papel de todos como importantes para o bem comum. Centro das emoções e sua expressão.
  • Hipoenergizado: A pessoa ainda não encontrou o seu papel no mundo e a sua identidade está confusa a ponto de não saber se defender, porque nem mesmo sabe quem é ou se expressar adequadamente. Tende à " engolir sapo" por não saber se defender ou por detestar briga. Quando se expressa geralmente se sente mal porque exagera, diz o que não gostaria ou diz até o contrário do que gostaria de falar. Isto se dá porque não consegue expressar as suas emoções adequadamente e principalmente a raiva (devido ao outro querer interferir na sua vida). Quando consegue descarregar ela vem em excesso ou distorcida. Esta descarga acaba por influenciar na sua auto estima negativamente e cria reacções mentais que se repetem reforçando esta "Menos Valia". São sentimentais, inseguros com muito medo de rejeição e de crítica.
  • Hiperenergizado: Egocentrismo, necessidade de ser o centro das atracções, obcecado controle de si mesmo e de todos a sua volta, sedução e sensualidade exagerada como forma de chamar a atenção, manipular o outro e como meio de afirmação da identidade pessoal. Dificilmente reconhece sua incapacidade ou fraqueza e tende a projectar nos outros a razão única de todos os seus problemas. Guarda mágoas e rancores e relaciona-se com o outro projectando os resíduos de seus problemas sem se dar conta disso. Seu ego é tão forte que dificilmente tem algo a aprender com o outro, mas sim a ensinar. A raiva e a arrogância são características predominantes. Age constantemente com o objectivo de aumentar o seu poder pessoal e com intuito de ser reconhecido como superior. A sedução compulsiva é o seu meio e garantia para a afirmação da sua identidade.
  4. Anahata - Som místico. A concentração neste centro permite escutar Sabda-Brahma o som primordial. Invicto ou inviolado
  • Glândula: timo
  • Elemento: Ar
  • Orgão de percepção: Pele
  • Orgão de ação: genitais
  • Prana Vayu: absorção da energia subtil
Centro do afectividade, da auto estima e do amor incondicional. Valor do Eu, confiança em si, auto motivação, alegria, autoridade, visão de Deus (pessoal) e unidade da vida. Personalidade compreensiva, generosa e altruística. Neste chakra surge o líder nato. A energização deste centro forma uma identidade mais abrangente, em que a individualidade e o sentimento de universalidade começam a se fundir. Este processo pode ser traumático, resultando, as vezes, numa crise de identidade ou num vazio muito grande.
  • Hipoenergização: Ego desinflado, auto estima baixa, tristeza e mágoas guardadas no peito. As pessoas tenderão a ser mais passivas do que agressivas; seus sentimentos e sensações serão propensos à depressão e as acções serão motivadas por uma crónica sensação de medo e inferioridade. Necessidade de ser carregado e inspirado pelas energias da vida dos outros. Tenderá a vivenciar sentimentos de angústia e desespero ao mobilizar a região do peito.
  • Hiperenergização: Ego inflado (peito inflado), auto- estima baseada no grande poder que tem em cuidar dos outros sem nenhum contacto consigo mesmo. Embora vivencie o sentimento de que estou óptima, posso cuidar de mim ,este sentimento é falso , pois detesta ficar só e olhar para si. Por essa razão envolve-se excessivamente com os outros a ponto de sobrecarregar-se (desculpa para não cuidar de si). Tem dificuldade de chorar, de aceitar ajuda e de se abrir com os outros mostrando seus sentimentos. Tem a necessidade de estar no controle das situações e parecer forte. Tendência a ser fortemente assertivo, chegando mesmo a ser agressivo.
    Muitas vezes o excesso de energia nesse centro se dá em detrimento de outros centros (manipura, svadhisthana e muladhara).
A verbalização, visuddha, com a participação da energização do anahata se torna um gesto de amor e o toque é mais uma expressão deste amor. O anahata é também um importante canal de comunicação com os chakras básicos. O sexo é um ato de amor se tem a participação do Anahata.
  5. Visuddha - Grande Pureza. O portal da grande Liberação
  • Glândula: tiróide
  • Elemento: a casa ou espaço. O espaço personifica a essência dos cinco elementos, não tem cor, cheiro, paladar, tacto ou forma, é livre dos elementos densos. O espaço tem relação com a força dilatadora da realidade física, simboliza o conhecimento contido nos vedas.
  • Sentido: audição
  • Orgão de percepção: ouvido
  • Orgão de ação: fala
  • Udana Vayu: expressão através de palavras
Este centro relaciona-se com a expressão, a comunicação, a fala e a criatividade em todos os sentidos da vida (intelectual, artístico, moral ou espiritual), desenvolvimento do conhecimento intuitivo e espiritual.
Quando os instintos básicos (primeiros chakras), as emoções e os sentimentos conseguem ser expressos por palavras a compreensão e o auto conhecimento acontecem. Este é o centro da análise e do autoconhecimento. Quando correctamente energizado, cria a facilidade na expressão dos próprios sentimentos e emoções. Possibilita o desenvolvimento do conhecimento intuitivo e a expressão do conhecimento com clareza, emoção e magnetismo, conseguindo chegar ao outro com facilidade. A natureza da pessoa se torna alerta, auto-reflexiva e auto-perceptiva com tendência à introspecção.
Neste nível a pessoa começa a desenvolver a comunicação interna, a investigação do seu relacionamento consigo mesmo e com o universo em geral. Esta região é chamada de "O portal da grande liberação". Aqui se dá a necessidade do desenvolvimento dos potenciais latentes e o estudo da compreensão de si mesmo., a necessidade de render a própria vontade à vontade de Deus. No equilíbrio, possibilita a comunicação entre o consciente e o inconsciente, permitindo ouvir o inconsciente pessoal de modo que possa compreender de onde estão vindo os impulsos. Esta compreensão permite superar os velhos programas, substituindo-os por parâmetros de crescimento aperfeiçoados, e ter acesso à orientação do inconsciente colectivo. Discriminação.
  • Hipoenergização: Dificuldade de expressar seus sentimentos e emoções, obrigando o indivíduo a agüentar em silêncio situações indesejáveis. A pessoa apresenta, também, conflitos quanto a auto-imagem, provocando a dificuldade de organizar e expressar as emoções e os sentimentos, reprimindo-os. Esta pessoa fala pouco e tem a tendência a ter o tom de voz baixo e (ou) grave (voz cavernosa). A pessoa desenvolve medo da entrega à vontade de Deus.
  • Hiperenergização: A pessoa tenderá a falar demais (tom de voz alto e agudo às vezes) ou ficar fortemente introspectivo, dedicando-se exclusivamente às suas actividades e reflexões internas e desligando-se do mundo externo, tendo por principal característica o intelecto negativo, podendo ocorrer, por ignorância, uso insensato do conhecimento. Esta pessoa tem dificuldade de ouvir o outro. Para se proteger e se esconder a pessoa tende a contrair os ombros e o pescoço para impedir que os impulsos, emoções e sentimentos indesejáveis (não aceitos pela própria pessoa) sejam expressos pela fala ou expressão facial. Isto também se dá para impedir que os outros possam ver aquilo que a pessoa não deseja que seja visto (imagem negativa).

 6. Ajna
- Centro frontal, centro do mando
  • Glândula: Hipófise ou Pituitária
  • Elemento: Avyakta (nuvem original de energia e matéria indiferenciada).
Relaciona-se com a consciência e a actividade mental e intelectual em todas as suas formas. Visão clara, compreensão precisa e entendimento rápido do que está sendo lido, estudado, escutado e meditado. Concentração em um tema até esgotá-lo O indivíduo é impelido a buscar continuamente a diferença entre a verdade e a ilusão. È neste centro que se tem a visão da suprema VERDADE "Atma Jnana" (o conhecimento do Ser). Neste nível percebe-se o amor nos vários níveis de todos os Chakras.
  • Hipoenergização: A pessoa apresenta dificuldade em aprofundar e ampliar sua compreensão de si mesmo e sobre o mundo. Também apresenta dificuldade de visão e ou audição, vendo e ouvindo somente aquilo que lhe é conveniente e processando transformações indevidas na interpretação das situações e conceitos. Verifica-se também um bloqueio em nível intelectual, dificultando e impedindo o questionamento e a aquisição de novos conhecimentos. O indivíduo desenvolve um grande medo de enfrentar situações novas, de se apoiar em conselhos externos e dificuldade de estabelecer uma disciplina.
  • Hiperenergizado: A pessoa apresenta todas as dificuldades apresentadas na hipoenergização sendo que neste caso o grande obstáculo é que esta mente pensa demais, se interessa por tudo e faz uma grande confusão entre o que pensa, ouve, lê. Dificilmente consegue se concentrar e só ouvir, e como a mente não pode ter dois pensamentos ao mesmo tempo sua compreensão é sempre distorcida dos fatos. Também é instável no que pensa.

  7. Sahasrara Chakra
- Lotus das Mil pétalas ou Centro Superior
  • Glândula: Pineal
Está relacionado ao Nível transcendental ou transpessoal. Neste nível o indivíduo já ultrapassou as limitações do Ego e consegue viver com total consciência a plenitude do ser.


Chakras Auxiliares: Lalana ou Kala
  • Localização: garganta atrás do Visuddha Chakra
    Sua energização faz o indivíduo ter sentimentos altruísticos.
Manas Chakra
  • Localização: base do cérebro
    A energização equilibrada do manas e do ajna Chakra nos dá a sensação de um estado de coordenação mente e acção.
Soma Chakra
  • Localização: no meio do cérebro. Sede dos sentimentos altruísticos e do controle volitivo.
Bindu Visargha
  • Localização: na parte posterior da cabeça. Ligado directamente ao Visuddha. Nesse local, existe uma ligeira depressão, onde se concentra uma pequena quantidade de secreção líquida.

Bibliografia consultada:
  • Medicina energética - Richard Gerber
  • Os Segredos do Tantra e do Yoga - Paulo Murilo Rosas
  • A Psicologia do Tantra - Paulo Murilo Rosas
  • As fronteiras da evolução e da morte - Pierre Weil
  • Teoria dos Chakras - Hiroshi Motoyama
  • Chakras - Harish Johari
  • Anatomia do Espírito - Caroline Myss, Ph.D.
  • Terapia Reichiana I e II - Frederico Navarro
  • A somatopsicodinâmica - Frederico Navarro

√ Dica: Para perceber melhor, sugiro a leitura do texto A Anatomia energética.